Livro propõe 16 brincadeiras para introdução à matemática na educação infantil

Brincadeiras para estimular de forma lúdica a aprendizagem da matemática para a educação infantil integram um livro virtual publicado pela Editora da Universidade de Taubaté (EdUnitau).

O livro “Matemática na educação infantil: 16 propostas de resolução de problemas não convencionais” introduz diferentes métodos que professores podem utilizar com os alunos. A publicação é resultado de uma pesquisa envolvendo 17 alunos de educação infantil, de 4 anos a 5 anos e 11 meses, em uma escola pública do Vale do Paraíba. A pesquisa resultou em uma dissertação da Profa. Ma. Raíssa Alexandra Lopes Duarte, egressa do Mestrado Profissional em Educação (MPE) da UNITAU. Raíssa foi orientada pela Profa. Dra. Maria Tereza de Moura Ribeiro, que integra o corpo docente do MPE.

As pesquisadoras ressaltam o papel do ensino matemático, com métodos interativos, para o desenvolvimento da autonomia das crianças, permitindo-lhes levantar hipóteses e expor ideias. Os problemas foram desenvolvidos a partir do interesse da classe em conjunto com os documentos norteadores da educação infantil.

“Elas tinham interesse por pizza, do que comeram no final de semana, então aproveitamos essa temática para desenvolver uma proposta em que elas pudessem problematizar e construir conceitos matemáticos”, explica a professora Raíssa.

O protagonismo do aluno é essencial. “A professora não induz as respostas, as crianças pensam, compartilham, aprendem com os colegas”, conta a professora Maria Teresa.

A qualidade da educação é um tema acompanhado de perto pela Organização das Nações Unidas (ONU), sendo um dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS 4). Nos últimos dois anos, houve um aumento da taxa de analfabetismo entre jovens devido à pandemia do coronavírus.

No Brasil, os dados do Sistema de Avaliação da Educação Básica (SAEB) apontam que 20% dos alunos do 2° ano do ensino fundamental não sabem fazer operações básicas de matemática, como a soma e a subtração. Isso representa um aumento de 4% em relação à taxa de 2019.

A conexão entre o aprendizado da matemática no ensino infantil e no fundamental é feita pela professora Maria Teresa. “A educação infantil é um ponto fértil para estimular o pensamento lógico. Se a criança tem um contato com a matemática dessa forma, desde cedo ela vai ter mais chances de ser um aluno que goste de resolver problemas, um comportamento que facilita o ensino da matemática.”

De acordo com a professora Raíssa, não se trata de antecipar conceitos para as crianças, mas, sim, de estimular o desenvolvimento para uma percepção da matemática. “Se a criança já tem contato com conhecimentos matemáticos, se ela já desenvolve uma percepção matemática na educação infantil, um senso espacial, é claro que, no fundamental, ela vai ter mais facilidade em realizar as operações básicas. Trabalhar com materiais manipulativos vai fazer com que essa criança chegue no fundamental de forma muito mais tranquila para ter acesso a esses conceitos.”

ACOM/UNITAU

Publicado em: https://unitau.br/noticias/detalhes/5494/livro-propoe-16-brincadeiras-para-introducao-a-matematica-na-educacao-infantil/

Compartilhe

Outras notícias

Tenho Interesse




    Pular para o conteúdo